FoodTechs: Como as novas Startups mudarão a forma como você come

foodtechs startups se preocupam com a falta de comida no mundo

Você já parou para pensar como a quantidade de pessoas existentes pode afetar o nosso dia a dia? A falta de comida está entre as principais preocupações dos especialistas. Com o objetivo de suprir essa necessidade, estão cada vez mais comuns startups de comida, chamadas de FoodTechs.

Embora muitas pessoas entrem em uma briga eterna sobre o que é mais importante, água ou comida, fato é que não sobreviveríamos sem nenhum dos dois. Por isso, é fundamental que, em um mundo cada vez “maior”, os serviços que produzam alimentos se aprimorem e se tornem mais efetivos.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação (FAO), é estimado que a produção de alimentos deverá crescer em 70% ao ano para conseguir suprir as necessidades de uma população estimada de 9 bilhões de pessoas em nosso planeta. O assunto é muito sério e por isso existe todo um movimento mundial em prol das startups conhecidas como FoodTechs.

Nesse episódio da coluna Vida Digital, nós tratamos sobre o que é uma FoodTech, suas principais características e como elas podem mudar completamente a forma como compramos e consumimos nossos alimentos diários.

Além disso, conversamos um pouquinho sobre quais são as principais FoodTechs no mercado brasileiro e o que o futuro nos aguarda em relação às novas tecnologias que estão surgindo no segmento alimentício.

Portanto, se você adora ficar por dentro de todas as novidades do mundo digital, saiba que estou todas as terças-feiras na CBN Cotidiano de João Pessoa tratando sobre temas como empreendedorismo, marketing, futurismo, tendências e muito mais.

Conto com a sua presença!

Nesse artigo, iremos tratar sobre FoodTech, abordando:

  • Startups: Como novas empresas estão revolucionando o mercado tecnológico
  • O que são FoodTechs
  • Por que as FoodTechs irão mudar a sua vida?
  • Como as FoodTechs transformaram o mercado alimentício
  • 4 FoodTechs que você deveria conhecer

Confira!

Startups: Como novas empresas estão revolucionando o mercado tecnológico

Não é de hoje que começamos a ter como foco a tecnologia para o desenvolvimento da qualidade de vida do ser humano. Para falar a verdade, podemos dizer que desde os primórdios as novas invenções sempre foram as responsáveis pela evolução da humanidade.

As Revoluções Industriais, por exemplo, foram períodos em que a tecnologia foi utilizada para ampliar as cadeias de produção, principalmente na agricultura e pecuária.

Dessa forma, foi nos proporcionados maior capacidade de produção de alimentos, facilitando a distribuição e reduzindo drasticamente seus custos e preços de compra.

No entanto, nos encontramos atualmente em uma era completamente diferente. As startups, novas empresas de tecnologia, estão cada vez mais buscando novas maneiras de produzir alimentos saudáveis aliados à sustentabilidade e escalabilidade.

Para a nossa sorte, o Brasil é um ótimo lugar para o desenvolvimento de startups na área de alimentos. Afinal, o país é um dos maiores produtores de grãos e carne do mundo. No entanto, infelizmente ocupamos o 10° lugar no ranking de desperdício de comida.

Se você leu o artigo onde falo sobre o que são startups e o seu impacto no Brasil e no mundo, sabe que essas novas empresas de tecnologia adoram contradições, afinal, estão em operação justamente para lidar com demandas que passam despercebidos pelas grandes empresas.

Concluindo: soluções que nos ajudem a viver melhor com o mundo são sempre bem-vindas, e as startups são mestres em promover isso ao mercado.

O que são FoodTechs

Assim como todo e qualquer mercado, as empresas precisam se reinventar para atender de maneira proativa os novos hábitos e exigências dos consumidores. Resumidamente, foodtechs são startups inovadoras que atuam em prol de uma cadeia alimentar mais dinâmica.

Portanto, podemos dizer que uma foodtech é uma empresa que utiliza a tecnologia com o objetivo de aprimorar as áreas de agricultura, produção, fornecimento e até mesmo na distribuição de alimentos pelo mundo.

Estas startups estudam novos modelos de produção de alimentos, como a desenvolvimento de comidas baseadas em outras formas de proteínas, entre elas insetos, algas e alguns tipos de vegetais.

O objetivo é encontrar novas dinâmicas de trabalho e olhar de um jeito diferente para os problemas atuais. Através dessas mudanças, é possível que essas foodtechs criem novas tendências e inovações que beneficiem a competitividade no mercado.

Sendo assim, as foodtechs funcionam a partir do uso de recursos tecnológicos que impactam positivamente nas diversas etapas do fornecimento de alimentos, como a produção, venda e até mesmo consumo.

Embora esse movimento seja novo no Brasil, já são calculadas mais de 90 foodtechs atuando em solo nacional e com certeza há muito mais espaço para ser ocupado.

Por que as FoodTechs irão mudar a sua vida?

Embora a desnutrição ainda não esteja totalmente erradica, ela já não é mais o principal problema quando falamos sobre alimentação. Para falar a verdade, hoje em dia morrem mais pessoas por doenças relacionadas à obesidade do que por fome.

Outro fato é que a taxa de natalidade é muito superior à de mortalidade, o que revela o crescimento exponencial da população e, como consequência, a demanda cada vez maior por alimentos.

Em meio a tantas variáveis, só nos resta a conclusão de que precisamos desenvolver novas formas de tornar os alimentos mais saudáveis e em maior quantidade. Além disso, também é necessário aprimorar os meios de produção e distribuição de comida.

Nesses casos, as FoodTechs podem mudar completamente a forma como lidamos com os alimentos.

Como as foodtechs transformaram o mercado alimentício

A consultoria americana Researchs and Markets estima que até 2022 os investimentos no setor de alimentação tecnológica ultrapassem os 250 bilhões de dólares. Tanto no exterior como no Brasil já encontramos inúmeras startups ligadas à produção destes alimentos.

A foodtech brasileira iFood, fundada em 2011, é a maior empresa de entrega de comida pela internet em toda a América Latina.

Isso, pois ela consegue sanar um dos problemas mais comuns do século XXI: a correria do dia a dia. A partir disso, a empresa conseguiu provar que, não é porque você não tem tempo para preparar alimentos saudáveis que deve ficar no ciclo vicioso de lanches pesados no almoço e Coca-Cola no jantar.

Basta entrar no aplicativo, selecionar aquela saladinha e em questão de minutos ela já está na sua casa.

Durante o Carnaval de 2019, a empresa também testou programas de entrega de comida utilizando drones e patinetes, fornecendo serviços de entregas mais rápidos e sustentáveis.

Que tal um hambúrguer de samambaia?

Além disso, algumas empresas no mundo já estão produzindo até mesmo hambúrguer feito de vegetais. Isso mesmo: carne vegetal! A promessa é que possuam gosto e textura de carne animal. Pelo menos essa é a promessa de gigantes como MacDonald’s e Burguer King.

A foodtech Beyond Meat é a principal fornecedora de hambúrgueres vegetais com essas características servido nas mesas do MacDonalds no Canadá. A empresa já possui uma década de história e está prestes a entrar na bolsa de valores americana com um valor inicial de mais de 1 bilhão de dólares.

O KFC e Dunkin’ Brands também já utilizam os produtos da Beyond Meat em seus cardápios. Pode parecer maluquice, mas o assunto é bem importante para população mundial.

A foodtech brasileira Fazenda do Futuro também promete revolucionar o mercado com os seus hambúrgueres sintetizados a partir de proteínas de soja e grão-de-bico, chamado Futuro Burguer.

Já a startup chilena NotCo desenvolveu uma maionese produzida sem ovos. Em apenas oito meses, cerca de 8% do mercado nacional já consome esse produto. A estimativa é que, nos próximos anos, alimentos como sorvetes e leites também serão produzidos sem a necessidade da proteína animal.

Outra mudança assustadora é a capacidade de imprimir a sua própria comida através de impressoras 3D. Já pensou nisso?

Para falar a verdade, isso já é possível com impressoras que utilizam alimentos como matéria-prima. Em alguns casos, as máquinas apenas moldam comidas prontas. Em outros, já conseguimos imprimir, cozinhar e servir o prato praticamente pronto através das impressões.

Tudo isso são apenas algumas mudanças que prometem impactar o mercado de alimentos nos próximos anos. Portanto, fique ligado com essas mudanças, pois elas com certeza irão afetar (ou já estão afetando) a forma como comemos, afinal, o futuro já começou!

4 FoodTechs que você deveria conhecer

Liv Up

A Liv Up é uma startup de alimentação saudável que usa a tecnologia para reformular a relação dos consumidores com os alimentos e sua experiência de compra.

Desde 2016 a empresa fornece refeições utilizando a técnica de ultracongelamento, ingredientes cem por cento naturais e prioritariamente orgânicos a partir de parcerias com pequenos produtores.

Tudo isso você pode encontrar na plataforma online da Liv Up, onde são oferecidos produtos para que o cliente agende o dia e a hora que deseja receber a entrega.

O principal objetivo da foodtech é incentivar as pessoas a construírem um estilo de vida mais saudável através de um cardápio totalmente personalizado e serviço de qualidade.

MVarandas

Contando mais de 22 anos de atuação no mercado de softwares para o segmento de Food Service, a MVarandas possui como principal foco o resultado dos clientes.

Devido a sua enorme experiência em vários setores relacionados a alimentação fora do lar como Motéis, Hotéis, Food Trucks a MVarandas acompanha muito de perto as dores dos seus clientes. Diante deste cenário foi inevitável começar a pensar na evolução dos seus ERPs (Sistemas de Gestão).

O aplicativo Menew, hoje é o principal produto da startup, é uma espécie de sistema capaz de atender desde pequenas empresas e lanchonetes até mesmo redes de restaurantes. Com este sistema o cliente consegue ter uma autonomia muito maior da gestão da sua conta, por exemplo. O crescimento da empresa tem sido tamanho tanto que possivelmente o Menew possa se tornar um Spin-off (um projeto que inicialmente era paralelo e tome seu caminho próprio).

Para isso, o módulo de PDV faz a gestão de todo o atendimento entre o estabelecimento e os clientes. Além disso, também é uma ótima ferramenta para gerir o negócio. O estoque e até mesmo a área financeira tomam nova proporção pois tudo é feito através de relatórios. Dessa forma, o empreendedor possui um alicerce para suas tomadas de decisão e gerenciamento.

Além disso, é possível gerenciar o negócio à distância com relatórios customizáveis e em tempo real.

VocêQPad

O VocêQPad funciona como uma forma de autoatendimento que permite que os usuários realizem pedidos em restaurantes por meio de um smartphone, onde também realizam o pagamento.

Para isso, o aplicativo oferece diferentes ferramentas que variam de acordo com o tipo de estabelecimento que você está visitando.

Quando o pedido é realizado na mesa do estabelecimento, o cliente precisa apenas abrir o app para ler o QR Code que está instalado no local. A partir disso, é possível acessar todo o cardápio, que vem com imagens, acompanhamentos, valor dos pratos e até mesmo enviar pedidos personalizados para a cozinha.

Além disso, também existe a opção de fazer o pedido antes mesmo de chegar ao local, o que ajuda bastante a reduzir o tempo de espera.

Vale lembrar também que todos os pagamentos são realizados através do app, que possui integração com vale refeição, cartão de crédito e PayPal.

Supermercado Now

Você já pensou em fazer a sua compra do mês pela internet? Com os supermercados online, isso já é possível.

Essa é uma plataforma de supermercado online que possui como principal objetivo facilitar a compra de bens recorrentes de maneira prática e rápida.

Para isso, a Supermercado Now conecta consumidores e supermercados através da internet. Aos clientes, a empresa promete a entrega da sua compra em até duas horas ou por agendamento. A entrega é realizada por shoppers e entregadores treinados para o serviço e que atuam de forma independente para o serviço de entrega.

Aos varejistas, essa é uma ótima forma de aumentar ainda mais o seu alcance e as vendas. Agindo desta forma é possível atingir outros perfis de consumidores tanto do ponto de vista de classes econômicas como também de localização geográfica. O supermercado deixa de ter apenas abrangência local, como no passado.

E aí, o que você achou das FoodTechs? Não se esqueça de compartilhar nas suas redes sociais e, se sobrou alguma dúvida, escreva nos comentários que será um prazer responder você. Sua participação é muito importante para nós. Cada um que contribui com nosso trabalho nos ajuda e a centenas de amigos que também acreditam em conteúdo de qualidade. Construa esse mundo conosco!

Aproveito para te convidar a conhecer minhas redes sociais no Youtube, Facebook e Instagram. Deixe seu comentário, sugestão e compartilhe nossos debates com seus amigos também. Serei muito grato! 😀

#VamosEmFrente!

No comments
Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.