Economia criativa 4.0: Entrevista com André Araújo

Economia 4.0: Entrevista com André Araújo

Nesta semana, você acompanha um bate papo com André Araújo, responsável pela gestão do Porto Digital. Afinal, o mundo está vivenciando pela primeira vez, em tempo real, uma revolução industrial que permeia a economia criativa. Eu te pergunto: Você está preparado para este desafio? De certo, este movimento não tem mais volta, daí surge a expressão: O mundo não gira ao contrário. Este ano, tive a alegria de publicar um trabalho cheio de reflexões, conhecimento e descobertas do período mais perturbador da história da humanidade.

O livro “Economia Criativa 4.0 – O mundo não gira ao contrário” é resultado de um processo intenso de aprendizado e imersão. O mundo mudou seu curso; as pessoas mudaram a forma como se relacionam umas com as outras e como interagem com ambientes em torno. Vivemos agora, em um momento de mudanças radicais, chamado de 4ª Revolução Industrial que muda todos os aspectos de nossas vidas, negócios, da economia e da sociedade.

Com isso, convido você a mergulhar comigo nessa jornada. Vamos conhecer e passar por lugares que estão no livro e que fizeram parte da construção dessa caminhada. Nas páginas do Economia Criativa, e nesse primeiro momento, vamos à Olinda. Afinal, muitos conceitos e exemplos estarão ligados à cidade pernambucana. Mas esse não é um assunto de nicho regional.

Vamos em Frente!

  • Uma revolução em tempo real
  • Entrevista com André Araújo
  • Quem é André Araújo
  • Conheça o livro

Entrevista com André Araújo

Na semana passada, conhecemos Cláudio Nascimento e a sua contribuição para a cidade de Olinda. Olinda é um exemplo dentro dessa revolução, mas o assunto vai além do regional. Contudo, durante essa imersão, aproveitamos para conversar com pessoas importantes tanto no processo do livro quanto no processo real do qual estamos vivenciando e nos adaptando. Tive o prazer de conversar com o responsável pela gestão do Porto Digital, em Recife, André Araújo.

Toda semana, você vai acompanhar aqui uma série de vídeos com imagens, insights e entrevistas que podem nos ajudar a compreender o cenário atual que atinge o mundo todo.

Estamos vivenciando rupturas como inovação exponencial, período de extinção em massa, excesso de consumo, nova era econômica, mudanças climáticas e nova realidade. São tempos extraordinários e o livro é uma espécie de guia para se descolar neste universo criativo e em constante mudança.

Confira abaixo o vídeo:

Qual o papel que vocês têm no desenvolvimento do conhecimento e diversificação de possibilidades a população em Pernambuco.

André Araújo: Primeiro, obrigado, Vinnie. Obrigado pela oportunidade de estar falando com vocês. O Porto Digital surge com o objetivo de realizar impacto econômico, de desenvolver novas empresas, de gerar uma economia nova para cidade e para região, mas o processo de fazer isso é muito mais complexo do que simplesmente disponibilizar um espaço e fazer parcerias com universidades para desenvolver novos negócios.

E isso não é uma equação, isso não é um processo linear, essas coisas são extremamente orgânicas e a gente está há 20 anos nesse caminho. Então, quando a gente começou com o parque tecnológico, a gente achava que isso aqui ia ser um ambiente bem sucedido, que ia trazer grandes empresas para cá, fábricas de softwares porque a gente estava no mesmo fuso horário que Nova York. A gente tinha de fato uma base acadêmica muito poderosa na UFPE e na região nordeste, da qual a gente poderia construir uma base de capital humano extremamente competitiva em termos de capacidade versus custos. Mas assim, nada funciona só dessa maneira.

André, e como se deu esse crescimento?

Bom, no começo, a gente achava que viria IBM, Microsoft, grandes empresas indianas. A gente estava olhando mundo para o modelo indiano de fábrica de software e descobrimos que a banda não tocava desse jeito . Como diria Dadá Maravilha: Na prática, a teoria é outra. A gente descobriu que o sistema necessário para construir tudo isso é muito mais sofisticado, muito mais complexo.

Primeiro, começamos com alguns acertos. Logo, o de ter escolhido montar o Porto sem ser em lado onde ficam as universidades, numa área isolada da cidade. A gente escolheu estar no coração de Recife, uma área degradada sim, mas o porto está no Marco Zero da cidade, onde o carnaval acontece. Escolhemos não está dentro de um portão fechado. A gente é urbano, a gente é aberto. Eu diria que quando tomamos essa decisão, plantamos a semente para o sucesso.

Em 20 anos, a gente saiu de duas empresas para 350 negócios. De 42 pessoas para 12 mil pessoas. Esse conjunto de 350 empresas é responsável por quase 10% do ISS de faturamento da prefeitura do Recife ano passado. Isso com desconto de 60% no ISS pela legislação de apoio e suporte ao Porto Digital. A gente já provoca um impacto significativo na economia. E, apesar de ter chegado nesse número de empresas agora, em 5 anos vamos dobrar de tamanho. Estamos falando de mais de 20 mil pessoas, mais de 600 empresas, um faturamento agregado perto de 1 bilhão de dólares. E isso é muito se considerarmos que estamos no Nordeste.

Quando você traz as pessoas que pensam para perto, as transformações são muito maiores do que montar um shopping center. É um volume completamente diferente.

André Araújo: É um ambiente de inovação que vai construir negócios com custos de salário médio infinitamente maiores, e cujo o valor gerado é maior ainda. O parque existe para prover soluções de valor, usando tecnologia como provedor de escala. Vale importante lembrar que inovação não é invenção, inovação é negócios. É valor novo que substitui valor anterior, gerando margens maiores, gerando mais impacto em todos os aspectos. E é isso, de certo modo, que estamos fazendo aqui. O nosso núcleo que é uma organização social e que existe para desenvolver e tocar a política de desenvolvimento de Recife não existiria sem o governo de Pernambuco, sem parcerias e iniciativas privadas. Apesar disso, somos uma entidade independente, não somos governo.

Nós somos tripa hélice na veia. O motor de propulsão da informação aqui tem três hélices e elas são a academia, a indústria e o poder público. Em suma, estamos atuando de maneira consertada.

Quais são as próximas direções que vocês imaginam para que seja desenhado todo esse ecossistema?

André Araújo: Bom, continuamos sendo um parque sem teses de investimentos. A gente não tem restrição para o tipo de negócio que fazemos aqui dentro. Para você ter ideia, o Mister Plot que faz o desenho animado Mundo Bita foi empresa incubada nossa. Então, assim, nós não temos isso. Primeiro, a gente continua de braços abertos a todo tipo de negócio que se propõe inovador, estamos olhando muito para impactos sociais e desenvolvimento sustentável, não somente para empresas mas também para os programas de empreendedorismo daqui de dentro e para o Parque. Nós somos uma instituição de impacto. Estamos trabalhando para apoiar e suportar esse crescimento acelerado que está vindo e que já está rolando, mas que precisa acelerar mais ainda.

Se a gente quer dobrar de tamanho, o nosso caminho crítico é gente, pessoas. Por muitos anos, o Porto Digital teve foco em qualificação na área de pessoas e colaboradores que já trabalharam no Parque Tecnológico. Agora, estamos passando a focar na demanda real por mais pessoas qualificadas disponíveis para trabalhar no Porto Digital. A gente tem hoje mil vagas por aqui, mas eu diria que se tivéssemos dois mil bons currículos, a gente teria empregabilidade imediata de profissionais na área de tecnologia.

Pernambuco tem um número enorme de cursos e qualificações nessa área, mas muitos deles não tem qualidade suficiente para um aluno sair graduado e vir trabalhar numa empresa aqui. A pessoa teria que passar um ou dois anos em formação. Em outras palavras, os cursos não são bons o suficiente. O porto Digital está trabalhando com um conjunto de instituições privadas para poder entregar cursos com empregabilidade imediata.

Como esses cursos devem atuar?

André Araújo: Estamos vendo o número de profissionais desempregados, principalmente engenheiros, que saem das instituições despreparados. Eles já tem os fundamentos para se tornarem decodificadores, então a nossa missão é trabalhar com cursos de qualificação rápida de desenvolvedores. São cursos de 3 a 6 meses ofertados por parceiros com o objetivo de atender o crescimento que buscamos no Porto, para trazer suporte. E, segundo, mudar a economia da cidade, aumentar a empregabilidade, salários mais altos.

No momento que a gente faz isso, trabalhamos para mudar a economia e mudar o cenário na cidade. E mais, estamos trabalhando também para incluir outras demografias dentro do Porto Digital. Você sabe que o ambiente dentro da tecnologia de informação, em geral , ele é essencialmente masculino, branco e de classe média alta. Se a gente quer ter a escala que a gente pensa e se a gente quer transformar o mundo como planejamos, não podemos ser esse pequeno mundinho. Temos hoje um programa de empoderamento e proteção e inserção da mulher dentro do Porto, o programa MINAs.

E, temos também uma iniciativa crescente que é o projeto Porto + que é para o público LGBTQ+, além de programas de empreendedorismo para comunidades de baixa renda em parceria com o consulado britânico. A história da gente de mudar isso aqui é de verdade. E não é mudar pequenos grupos, é mudar todo mundo.

Quem é André Araújo?

André Araújo, Gestor de Projetos do Porto DigitalConheci André Araújo através do Cláudio Nascimento, e a contribuição que ele traz nessa entrevista e no que propõe a fazer na gestão do Porto Digital que abriga hoje 300 empresas e instituições dos setores de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), Economia Criativa (EC) e Tecnologias Para Cidades. Assim, o parque conta com três incubadoras de empresas, duas aceleradoras de negócios, seis institutos de pesquisa de desenvolvimento e organizações de serviços associados, além de diversas representações governamentais.

André está a frente junto com uma equipe administrativa do parque que também conta com uma instituição de ensino superior, o C.E.S.A.R School, iniciativa do C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, considerado por duas vezes a melhor instituição de Ciência e Tecnologia do País pela Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia (FINEP). O Porto Digital possui ainda uma unidade avançada na cidade de Caruaru, no Agreste de Pernambuco.

Conheça o livro!

O mundo está vivenciando pela primeira vez, em tempo real, uma revolução industrial que permeia a economia criativa. Eu te pergunto: Você está preparado para este desafio? De certo, este movimento não tem mais volta, daí surge a expressão: O mundo não gira ao contrário. Este ano, tive a alegria de publicar um trabalho cheio de reflexões, conhecimento e descobertas do período mais perturbador da história da humanidade.

O livro “Economia Criativa 4.0 – O mundo não gira ao contrário” é resultado de um processo intenso de aprendizado e imersão. O mundo mudou seu curso; as pessoas mudaram a forma como se relacionam umas com as outras e como interagem com ambientes em torno. Vivemos agora, em um momento de mudanças radicais, chamado de 4ª Revolução Industrial que muda todos os aspectos de nossas vidas, negócios, da economia e da sociedade.

Com isso, convido você a mergulhar comigo nessa jornada. O livro é fruto de uma pesquisa realizada durante dois anos sobre um novo movimento mundial. Para as pessoas antenadas com as revoluções tecnológicas, sociais e econômicas o termo revolução industrial já faz parte das rodas de conversas. O livro já está disponível! Vai ser uma honra compartilhar desse bate papo com você.

 

Inglês Espanhol Português

Participe do nosso debate

Esperamos que você tenha gostado deste artigo. Estamos de cara nova, equipe maior e ainda mais capacitada para buscar o melhor para te ajudar.

Fique ligado! Toda semana teremos um momento especial aqui no blog e no Youtube voltado para o livro. Assim, nos próximos encontros, vamos acompanhar entrevistas com outros nomes importantes no processo criativo do livro e que são personagens fundamentais na cidade Olinda. E não para por aí! Estamos apenas no primeiro capítulo, a ideia é te levarmos para dentro do livro e que você entenda a partir de que cenário, desenvolvemos um material super atualizado sobre a revolução que estamos vivenciando.

Em suma, como educador e jornalista, trago o que tem de mais novo e bem apurado sobre o assunto. Vamos trocar figurinhas? É muito importante ter sua contribuição! E, claro, em caso de alguma dúvida, entre em contato. Juntos, vamos entender como a revolução 4.0 está influenciando nações e decisões em todo o mundo.

Se você gostou do nosso conteúdo, encaminhe para seus amigos, colegas de trabalho, familiares. Essa sua contribuição fará com que possamos continuar seguindo firme na construção de conteúdos de qualidade.

Te convido também a seguir minhas redes sociais. Você poderá me encontrar no Youtube, LinkedIN, Facebook e Instagram.

Um forte abraço e #VamosEmFrente!

No comments
Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.