Drones miniaturizados: Você já foi picado por um deles?

drones miniaturizados robô inseto abelha robô

Se você é um fã da série Black Mirror ou filmes de ficção científica, com certeza já viu drones miniaturizados, os insetos robôs que são utilizados para missões de espionagem militar ou terrorismo. Embora no passado muitas empresas tenham tentado reproduzir essas invenções de formas rudimentares, hoje em dia já é possível ter acesso a essa tecnologia. Sim, estamos no futuro!

Antigamente, o grande desafio para tornar essa tecnologia viável era justamente a questão da bateria. Isso, pois ela é a principal forma de manter o drone funcionando por algum tempo. Se a bateria fosse muito pequena, duraria pouco tempo e não serviria de nada para o experimento. Se ela fosse muito grande, bem, não seria mais um inseto robô, e sim uma bateria com asas bastante chamativa.

No entanto, parece que as novas tecnologias conseguiram ultrapassar essas barreiras e finalmente é possível reproduzir, na vida real, uma das mais icônicas invenções dos filmes de ficção científica: os drones miniaturizados.

Nesse episódio da coluna Vida Digital, nós iremos tratar sobre drones e outras tecnologias que, em pouco tempo, irão mudar (se já não estão mudando) completamente a forma como lidamos com a robótica.

Se você assistiu o episódio das abelhas na série, com certeza vai ver uma grande similaridade com o que estamos falando. Porém, esse artigo não será sobre os aficcionados em Black Mirror, mas de uma tecnologia bastante especial.

Portanto, se você adora ficar por dentro de todas as novidades do mundo digital, saiba que estou todas as terças-feiras na CBN Cotidiano de João Pessoa tratando sobre temas como empreendedorismo, marketing, futurismo, tendências e muito mais.

Conto com a sua presença!

Nesse artigo, iremos tratar tudo sobre os drones miniaturizados, abordando:

  • A nova era dos drones miniaturizados
  • Como os drones miniaturizados podem ajudar no dia a dia?
  • Drones miniaturizados capazes de nadar e emergir
  • Coisas do futuro que você não sabia que existia

Confira!

A nova era dos drones miniaturizados

Quem nunca assistiu um filme ou série de ficção científica e ficou paranoico com a evolução da tecnologia? Para ser sincero, até mesmo eu fico receoso de certos avanços, principalmente aqueles que envolvem a inteligência artificial.

Porém, a melhor forma de lutar contra esse instinto natural que clama pela pausa das pesquisas científicas relacionadas à robótica é simplesmente entender que é algo necessário para a nossa evolução.

Um belo exemplo é o desenvolvimento de drones miniaturizados, aqueles inspirados em insetos. Eles podem ser úteis a diversas áreas da sociedade, principalmente a da saúde e da segurança.

Antigamente, a produção e desenvolvimento dessa tecnologia sempre esbarrava na tecla de que as baterias eram inviáveis. Isso, pois deixavam os drones grandes e pesados, nada discreto.

Realmente é possível?

A resposta é sim. Como solução, a Universidade de Washington focou a solução do problema para a alimentação de energia do aparelho, montando assim um protótipo wireless que funciona de maneira autônoma.

O RoboFly, como foi batizado esse inseto robô, é constituído de uma minúscula célula fotovoltaica capaz de converter a luz do Sol em energia elétrica.

Para se ter ideia, essa engenhoca é menor do que que ponta de um lápis e um pouquinho mais pesado do que um palito de dente.

Por ser tão pequeno, a tecnologia de hélices, como é utilizada nos drones convencionais, seria bastante ineficiente. Por isso, esse robozinho possui, literalmente, um par de asas.

Além disso, a equipe conseguiu resolver mais um problema dessa tecnologia durante o projeto.

Como cada um dos robôs batem suas asas independentemente de qualquer controle, a energia não seria suficiente para que eles voassem em uma velocidade muito grande.

Sendo assim, os pesquisadores adicionaram um circuito que turbina a potência de choques no aparelho, fazendo com que passasse de 7 volts para 240 volts. Não apenas isso, mas também conseguiram incluir uma rede controladora na placa, proporcionando também o controle manual.

Resumidamente, podemos dizer que essa rede microcontroladora funciona como o cérebro dos insetos reais, passando aos “músculos e neurônios” quais atitudes devem tomar.

Portanto, é possível dizer ao cérebro para bater as asas mais rápido, permanecer parado ou agir de maneira independente.

Como os drones miniaturizados podem ajudar no dia a dia?

Sem dúvidas, os drones serão ferramentas indispensáveis no futuro, principalmente para deixar os processos do nosso dia cada vez mais rápidos, práticos e baratos.

O RoboFly, por exemplo, pode ser bastante útil nas tarefas relacionadas a lavouras, como a polinização de culturas como forma de estancar os desgastes ambientais que estão sendo causados pela extinção de alguns tipos de abelhas devido à poluição.

Além disso, os drones miniaturizados serão ferramentas incríveis para serviços de busca e resgate, monitoramento de mudanças climáticas e, principalmente, vigilância e serviços militares.

Acredito que nenhum setor irá se beneficiar mais com essa tecnologia do que a área de segurança.

Além de garantir a proteção de operações militares, enviando drones no lugar de homens, também é capaz de fornecer bastante agilidade para as forças armadas, afinal, eles entram por lugares que nenhum outro robô ou humano poderia.

Outra vantagem é que eles são baratos e rápidos de serem produzidos.

Um dos autores e desenvolvedores do projeto, Sawyer Fuller, afirmou que “gostaria de criar um robô que encontre vazamentos de metano”.

Dessa forma, eles poderiam ser adquiridos em grandes quantidades para que voassem pelo prédio olhando em todos os lugares em busca de vazamentos do gás.

Drones miniaturizados capazes de nadar e emergir

Além do Robofly, também existem os “robôs-abelhas” que estão sendo desenvolvidos pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, que já são capazes de voar debaixo d’água e emergir na superfície.

Essa tecnologia, batizada de RoboBee, pesa apenas 175 miligramas e é um dos mais desenvolvidos até agora.

No entanto, não pense que o caminho para essa descoberta foi fácil. Na verdade, o grande problema era que essas máquinas tinham dificuldade em quebrar a tensão da superfície da água para emergir após o mergulho.

Com isso em mente, os pesquisadores adicionaram um pequeno foguete a combustão na traseira do robozinho, promovendo assim o impulso que ele precisava para entrar ou sair da água sempre que for preciso.

Diferente do RoboFly, esse drone possui duas placas eletrolíticas capazes de transformar água em oxi-hidrogênio. Essa reação é ativada por uma fagulha responsável por fazer toda a mágica acontecer durante o nado.

Entretanto, esses estudiosos ainda não conseguiram fazer um sistema de orientação remota ou de sensores que facilitem a locomoção dos drones e o motivo é bem simples, a falta de espaço.

Serviços de entrega através de drones

O mundo está cada vez mais rápido e as pessoas cada vez com menos tempo para se preocupar com alimentação e saúde. Por um bom tempo, a alternativa para esse estilo de vida eram os fast foods.

Porém, surgiu algo ainda mais eficaz do que isso: os serviços delivery. Afinal, se você possui a oportunidade de pedir por telefone um almoço delicioso e saudável ao invés de passar horas na cozinha, por que não aproveitar?

Com isso em mente, o iFood, a maior plataforma de delivery da América Latina, iniciou um novo projeto para utilização de drones durante as entregas de comida.

Porém, esses não serão drones miniaturizados. Assim, o objetivo é deixar os serviços de entrega cada vez mais rápidos e baratos.

Essa novidade veio em parceria com a SpeedBird Aero, uma empresa especializada no desenvolvimento de entregas por drones.

Inicialmente, esse projeto será implantado em Campinas, interior de São Paulo.

Coisas do futuro que você provavelmente não sabia que existia

A tecnologia é capaz de mudar completamente as narrativas históricas, em todas as partes da sociedade. É por esse motivo que tenho tanto apresso por esse mundo, afinal, podemos mudar qualquer realidade com os circuitos e parafusos certos.

Já é possível ter acesso a diversas máquinas e recursos que você nunca pensou que viveria para ver.

Portanto, confira abaixo algumas tendências tecnológicas revolucionárias que já estão presentes no nosso dia a dia.

Inteligência artificial

O conceito de inteligência artificial está cada vez mais presente no nosso dia a dia. Para muitas pessoas, no entanto, isso ainda é algo desconhecido e até mesmo perigoso.

Como falamos na coluna da CBN sobre Inteligência Artificial, a capacidade de um robô pensar por si só está cada vez mais necessário. Isso, pois tornaria possível avanços cada vez mais rápidos e impactantes no mundo, uma vez que as linhas de produção e serviços se tornassem mais eficazes.

Se você acha que isso é coisa de outro mundo, saiba que diversos mecanismos que utilizamos hoje em dia foram desenvolvidas com essa premissa.

Assistente virtuais, por exemplo, são a forma mais palpável que temos de inteligência artificial no mercado hoje em dia.

Os aparelhos de reconhecimento fácil, muito mostrados nos filmes de ação, também são produzidos a partir de inteligência artificial.

Porém, o melhor exemplo é o mecanismo de busca do Google, aquele que você digita quando tem alguma dúvida e aparece um monte de artigos e sites no resultado.

Carros autônomos

Os carros capazes de dirigir sozinhos sempre foram o sonho de consumo de qualquer pessoa. Para falar a verdade, todo esse processo começou com o desenvolvimento dos GPS, sistemas de auto-estacionamentos e até mesmo os freios que funcionam sozinhos.

A Google, uma das maiores desenvolvedoras de tecnologia do mundo, já patenteou uma tecnologia movida a base de inteligência artificial que permite que pessoas controlem carros sem que estejam necessariamente dentro deles.

Portanto, podemos dizer que seria como controlar um carrinho de brinquedo de controle remoto.

Além disso, diversas outras empresas já testaram carros autônomos, entre elas a Volvo, BMW, Mercedes-Benz, Ford e Land Rover.

A Tesla Motors, a empresa automotiva que produz carros elétricos, também não ficou para trás.

Elon Musk, CEO da empresa, afirmou em uma apresentação durante a Tesla Autonomy Day, realizada em 2019, que até o ano de 2020 a Tesla terá capacidade de colocar mais de um milhão de “robotáxis” nas ruas.

Essa tecnologia já vem sendo testada a bastante tempo e as expectativas são bastante altas.

Impressão de objetos e alimentos

Você já pensou em imprimir um sanduíche para tomar no café da tarde. Bem, infelizmente isso ainda não é possível, mas é questão de tempo para que máquinas desse tipo cheguem na sua casa. Não pense que é brincadeira, pois não é.

Para você ter ideia, o primeiro restaurante do mundo a imprimir comida foi o Food INK. Ele, em 2016, já atuava de forma itinerante onde passou por diversos países como Espanha e Holanda. O cliente acompanhava um cardápio e a comida era impressa na hora (seguindo os princípios de execução sob demanda tão debatidos em diversos setores da Economia).

Diversos exemplos já estão acontecendo pelo mundo nas mais diferentes áreas. Hoje já estão imprimindo casas, barcos, órgãos para serem utilizados em transplante exatamente buscando a melhoria das nossas vidas. É realmente fascinante como, se olharmos ao nosso redor, veremos inúmeros exemplos de objetos que poderiam ser impressos ao invés de serem comprados. No futuro bem próximo, o que provavelmente acontecerá, é que teremos portais onde você comprará o projeto e depois irá imprimir o objeto que você deseja.

Na verdade, o que podemos fazer hoje em dia com as impressoras 3D são objetos de plástico, borracha e até metal, além de diversos outros materiais.

Para isso, basta inserir a planta do projeto na máquina e adicionar os recursos necessários que, em pouco tempo, seu projeto está construído.

Além disso, é interessante dizer que esse já é um produto comercializável, ou seja, você pode ter um desses em casa!

E aí, o que você achou dos drones miniaturizados e das outras tecnologias do futuro que já estão presentes no nosso dia a dia? Fique bastante atento para que você não seja picado por um inseto robô, viu! (risos) Já imaginou pegar Dengue, por exemplo, a partir da picada de um desses robozinhos. Não seria nada engraçado.

Não se esqueça de compartilhar nas suas redes sociais e, se sobrou alguma dúvida, escreva nos comentários que será um prazer responder você. Sua participação é muito importante para que possamos melhorar a qualidade das nossas redes.

#VamosEmFrente!

No comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.